FOTOS

Após estreia no Teatro do Ator, grupo O Fi’los projeta apresentações gratuitas na cidade
por Arilton Batista

Recém-formado, o grupo paulistano de teatro O Fi’los deu início às atividades durante o mês de dezembro de 2013, com quatro apresentações realizadas nos dias 01, 06, 07 e 08 no palco do Teatro do Ator, na Consolação. Dirigido por Alexandre Batel, 37, o grupo trabalha com a peça “E agora meus deuses?” e tem como objetivo para este ano implementar um projeto de integração cultural aos bairros e moradores da periferia da cidade através de apresentações gratuitas.

Por enquanto, “E agora meus deuses?” é o único espetáculo de autoria do jovem grupo de teatro, que tem também como projeto para este ano a criação de mais duas peças, sendo uma infantil e a outra um drama. A segunda promete ser um projeto ousado, com uma forte pesquisa e embasado em personagens de Nelson Rodrigues, famoso e consagrado dramaturgo e diretor de teatro brasileiro falecido em 1980 vitimado por uma parada cardíaca. O nome O Fi’los vem do grego e significa “amigos”. “É o que somos, na verdade. Hoje praticamente mais que amigos, somos uma grande família. Eu costumo brincar, quando apresento o elenco ao final do espetáculo, que estou apresentando nossa comunidade. Pois um elenco com dez pessoas é muita gente”, comenta o diretor Alexandre Batel.

A história do espetáculo se passa na cidade de São Paulo. Os deuses gregos, após uma crise na Grécia, resolvem visitar a cidade brasileira em busca de dinheiro para salvar o Olimpo – local onde os gregos acreditavam viver os mais honrados deuses. A surpresa e toda confusão se dá quando no caminho desses deuses aparece uma simpática senhora trambiqueira, a Dona Gumercinda. Ela, a mando do deus Hades, faz com que os visitantes entrem em diversas enrascadas. Com uma boa parcela de humor, a peça carrega consigo também o objetivo de levantar questões sociais de maneira leve e descontraída. Para construir os personagens, os cenários e as falas, todos do elenco realizaram uma extensa pesquisa sobre a Grécia. “Quando surgiu a ideia de falarmos sobre os deuses gregos eu fiquei contente e apreensivo. Não queria que se tornasse um espetáculo clichê. A comédia é o grande atrativo hoje e, em todos os trabalhos que escrevi, sempre falei de questões sociais e com esse não queria que fosse diferente. O texto foi pautado em questões político-sociais, mas de uma maneira bem discreta, para não cansar o expectador.  Falamos de roubo de bagagem em aeroporto, sobre enchentes, da vulgarização sexual, entre outras questões”, explica Batel.



O retorno do público nas primeiras quatro apresentações foi bastante positivo, segundo o diretor do grupo, que ainda não tem nenhum patrocinador. Nessas primeiras exposições feitas no mês passado no Teatro do Ator foi possível, com a presença de um público considerável – entre familiares dos artistas, convidados e expectadores em geral –, pagar cachê para os atores e técnicos, além do aluguel do teatro. O Fi’los está em busca de apoiadores. “Caso alguém estiver interessado em apoio, patrocínio, ficaremos muito gratos”, salienta Alexandre.

Além das apresentações realizadas no Teatro do Ator, que retomarão a partir do dia 21 deste mês, o grupo pretende oferecer o espetáculo gratuitamente ao público de comunidades carentes da cidade e para pessoas que não possuem condições financeiras de adquirir o ingresso. Como a peça será exibida no Teatro do Ator toda sexta-feira às 21h, o dia escolhido para as atuações gratuitas é o sábado. Mas, segundo o diretor Alexandre Batel, isso pode variar de acordo com as entidades que viabilizarem a apresentação, que poderão ser em espaço fechado ou aberto. “Serão feitas apresentações gratuitas para a comunidade que não tem condições financeiras para ir ao teatro e pagar a entrada.  O que não impede de tais apresentações serem no teatro. Certo é que serão gratuitas.  A logística vai depender das associações de bairro, Prefeituras, etc.”, diz Batel.

O espetáculo “E agora meus deuses?” tem duração de 65 minutos e o elenco é formado por Alexandre Batel, Érica Carvalho, Felipe Lima, Henrique Donadei, Junior Ferreira, Kaíque Maltezzi, Lucas Araújo, Patrick Cajaíba, Phillip Hoffmann e Tony Aquino. O Teatro do Ator fica na Praça Roosvelt, 172, Consolação (Centro).


 

Voltar