FOTOS

Como conquistar um bronzeado saudável neste verão

Conquistar um belo bronzeado durante as férias é o desejo da maioria das pessoas, mas nem sempre este desejo faz bem à saúde. No verão a radiação solar é mais intensa e provoca um dano maior à pele, que desidrata facilmente com os efeitos do sol, calor e o vento. O Dermatologista do Hospital e Maternidade São Cristóvão Dr. Rodrigo Rodrigues Motta explica quais os cuidados necessários para ter uma pele bonita e saudável na estação.

O médico explica que o bronzeado é uma resposta do corpo a exposição solar e é possível “ganhar uma cor” de forma benéfica. “Com uma exposição da pele ao sol de forma consciente, usando protetor solar de maneira correta, nos horários adequados – das 10h e após as 16h – é possível adquirir um tom saudável. Já nos casos em que a exposição é intensa, sem proteção solar ou feita de forma inadequada, a pele fica vermelha, ardendo e inchada como resposta a agressão sofrida. O ideal é usar protetores solares com proteção contra UVA e UVB três vezes ao dia, ou a cada duas horas quando exposto ao sol. 

É importante reaplicar sempre após entrar na piscina ou no mar. Chapéus, bonés e óculos de sol devem ser usados durante a exposição ao sol, lembrando que já existe no mercado linhas de roupas e acessórios fabricados com proteção ultravioleta”, diz o médico. A radiação solar pode agredir a pele e trazer prejuízos estéticos em longo prazo, além de provocar queimaduras se não prevenidas com o protetor solar. Para quem exagerou na exposição da pele ao sol, o dermatologista esclarece: “Não existem remédios específicos para resolver o problema da queimadura solar, e sim medidas paliativas para amenizar os sintomas e ajudar no processo de recuperação da pele. Produtos em forma de cremes, loções e gel que são calmantes contém na sua formulação camomila, aloe vera, azuleno e calamina.

Produtos com ativos anti-inflamatórios, como alfa-bisabolol e nicotinamida, também são indicados. Borrifar água termal e fazer compressas com chá de camomila gelado na pele queimada pelo sol também ajuda a aliviar os sintomas, mas alguns tipos de queimaduras solares podem ser mais intensas e necessitam de cuidados especializados”. Se a pele estiver muito avermelhada, inchada e/ou com formação de bolhas, um profissional médico deve ser procurado imediatamente para orientar qual deve ser o tratamento mais adequado. No verão o dermatologista ressalta a importância de hidratar o corpo ingerindo muita água, sucos naturais de frutas e utilizar cremes hidratantes para cada tipo de pele após a exposição ao sol. 

“Deve-se tomar cuidado com o que se aplica na pele. Muitas receitas caseiras são mito ou prejudicam a saúde, outras de fato ajudam. Nós não orientamos os pacientes a utilizarem justamente por não sabermos a procedência e seus efeitos. Várias substâncias, como a Aloe Vera (babosa), mel e iogurte são utilizadas popularmente para fins de hidratação da pele. A chamada “pasta d’água”, feita de água com amido de milho, é uma das mais conhecidas. Utilizada para amenizar os efeitos da pele queimada pelo sol, ela só funciona em casos de queimaduras solares leves, e o ideal é consultar um médico para saber qual o melhor produto a ser usado para o seu caso”, diz o médico.

Uma ótima opção para aquelas pessoas que não vão à praia, piscina ou preferem evitar tomar sol, mas gostariam de ter uma pele bronzeada, são os autobronzeadores.
O dermatologista conta que estes produtos em sua grande maioria possuem na formulação a dihidroxiacetona, que interage quimicamente com a queratina e promove a formação de pigmento escuro, que provoca escurecimento da pele e, assim, o aspecto bronzeado. “O uso correto de um produto de qualidade permite que a pessoa adquira um belo bronzeado, evitando a exposição ao sol e aos efeitos maléficos da luz ultra violeta A e B que gera  rugas, manchas, vasos dilatados e câncer de pele. Esses produtos devem ser utilizados sempre com a pele limpa e seca, de preferência previamente esfoliada, para que seja melhor absorvido e resulte em um bronzeado mais uniforme sem manchas”. 

Espalhe bem o autobronzeador de maneira igual por todo o corpo, lembrando-se de aplicar menor quantidade do produto nas áreas dos joelhos e cotovelos, “Uma dica é usar luvas para a aplicação ou lavar bem as mãos após utilizá-lo”, orienta Dr. Rodrigo Motta. O especialista esclarece que existem variações de acordo com o produto utilizado. “Em média, a pele demora de 4 a 5 dias para pigmentar, e em torno de 5 dias para clarear novamente após parar o uso do produto. É importante lembrar que, mesmo com o uso de autobronzeadores, o protetor solar continua sendo indispensável, pois eles não protegem a pele da radiação solar”, finaliza o médico.


 

Voltar