FOTOS

Pets exigem mais atenção durante as festas de fim de ano

Justiça seja feita!

Os bichinhos de estimação também merecem um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo. Afinal, dia a dia os bichanos se tornam cada vez mais queridos e integrantes das famílias. E proporcionar um bom fim de ano, boas festas e tranquilidade aos pets dependem exclusivamente dos donos, que devem adotar alguns cuidados especiais nessa época. Alimentação controlada, conforto e forma adequada de transporte durante a viagem são alguns dos pontos a serem observados, principalmente nesse momento.

Como as festas de Natal e Ano Novo tradicionalmente são regadas a muita comida gordurosa, carnes e bebidas, algumas pessoas, até com boa intenção, pensam em dividir a ceia ou dispensar as sobras com os pets, a fim de propiciar a eles um pouco daquele momento de alegria vivido em família e com amigos. Entretanto, o ideal é que tanto os cães como os gatos devem “cear” com as suas comidas do cotidiano, com as rações e os ossinhos. Alimentá-los com comida humana pode ser perigoso e causar problemas gastrointestinais. Outro ponto a ser cuidado é quanto aos copos de bebidas alcoólicas esquecidos em locais onde o animal pode alcançar e ingerir. Uma pequena quantidade pode levar o bicho ao coma e até ao óbito. É importante deixar essas questões avisadas aos convidados, para que não haja nenhuma surpresa indesejada.

No fim do ano, como é o período de férias escolares e recesso na maioria das empresas, muita gente costuma viajar. E, para quem tem bichos de estimação, é sempre uma preocupação a mais. Quando a família viaja para algum local onde são permitidos os animais e se houver a possibilidade, é importante levar o pet junto. Mas, sobre tudo, o mais importante é optar pelo o que for mais confortável tanto para o bicho quanto para as pessoas. Para as famílias que escolhem levar os animais juntos na viagem, é importante salientar que existem algumas normas e macetes importantes para facilitar a vida dos proprietários e dos pets. A veterinária Débora Duran comenta que o transporte deve ser coerente com o comportamento do animal e que se deve sempre ser levado em conta a segurança de todos. “Para os animais é necessário a utilização de alguma forma de contenção, por exemplo, uma caixa de transporte adequada, um cinto ou coleira que evite que ele se machuque. O bicho necessita de GTA (Guia de Transporte Animal) e carteirinha de vacinação”, diz a profissional.

Não poder ou escolher não levar os bichinhos juntos para a viagem é, também, uma questão a ser analisada com bastante cautela. Afinal, eles não conseguem se virar sozinhos em casa e não é qualquer pessoa que aceita cuidar e dar carinho para um bicho de estimação de terceiros. Neste caso, o mais importante é encontrar uma saída que deixe a família mais despreocupada possível. Até mesmo para que possam curtir o passeio de verdade, sem sustos. “Podem deixá-lo num hotelzinho ou clínica com hospedagem confiável e conhecida ou até mesmo na casa de algum parente ou amigo. Há também quem aceite se deslocar para o local de moradia do animal”, orienta Débora Duran. Os hoteizinhos especializados na hospedagem de animais geralmente oferecem os serviços de passeio, recreação e banhos, que podem variar conforme o acordo feito entre a empresa e o cliente.

Os fogos de artifício são um martírio para os animais, principalmente para os cães. Por possuírem uma audição muito mais sensível e apurada que o humano, os cachorros tendem a sofrer mais com as explosões da pirotecnia. Os cuidados, nesse caso, devem ser com relação ao local onde o cão ficará nas noites em que há mais fogos e também sobre a identificação do animal. É importante deixá-lo em um local seguro e com menos barulho, como num quarto e na companhia dos donos. “Para minimizar o sofrimento pode-se tornar o ambiente mais tranquilo e calmo, sem tantos barulhos, transmitindo ao animal uma sensação de aconchego e segurança, mostrando-lhe que tudo está bem”, reforça a veterinária Débora Duran. Identificá-lo com o nome é importante porque, com os sustos, muitos cães conseguem fugir das residências na tentativa de se livrar daquele incômodo barulho. Em alguns casos vale colocar pequenos tampões de algodão nos ouvidos do animal.


 

Voltar