FOTOS

Acne é natural e atinge a maioria dos jovens brasileiros
Segundo especialistas, o segredo para lidar com as espinhas é enxergá-las como uma etapa natural da vida e não descuidar da autoestima
por Arilton Batista

A acne é e sempre foi um tormento na vida dos adolescentes. É justamente na fase da puberdade, que é quando o corpo passa pelo processo de transformação mais expressivo, que os cravos e as espinhas costumam aparecer. Braços, costas e face são os locais mais comuns para o surgimento da acne. Cerca de 80% dos jovens brasileiros sofrem com a doença, que pode estar ligada a questões genéticas e/ou hormonais. Há várias fases, vários quadros de acne, indo desde uma simples erupção na pele até as espinhas e cravos internos, que podem causar dores nas articulações, febre e deixar cicatrizes.

A acne que surge no rosto, porém, é a que mais causa constrangimento entre os jovens, pois é a que menos se pode disfarçar ou esconder. E isso, em algumas situações, leva os adolescentes a terem outros problemas, os de cunho psicológico. Uma pesquisa realizada nos Estados Unidos aprontou que os jovens com os cravos e espinhas tendem a ser mais solitários e tímidos que os demais. Por isso é importante ajudar o adolescente a compreender que a acne é natural, que pertence a uma fase da vida das pessoas e, além disso, tem tratamento e cura. E a família tem papel importante nesse processo. “Encarar a acne como algo normal faz parte do crescimento. A vergonha das espinhas possui um aspecto natural, nem poderia ser de outro modo. Se o jovem possuir bons alicerces familiares e boa construção de autoestima, conseguirá lidar com as espinhas com simplicidade”, explica o psicanalista Cristian Boragan, que é ligado ao IPP – Instituto Integrado de Psicanálise da Vila Mariana.

O campo psicológico, porém, deve ser analisado pelos pais e responsáveis com bastante atenção, porque o exagero e a transferência de responsabilidade para a doença podem indicar uma real necessidade do auxílio de um especialista, no caso um psicólogo ou psicanalista. Segundo Boragan, um sinal de alerta é quando o adolescente não quer ir para a escola ou deixa de conviver entre amigos por causa das espinhas. Ele ressalta, inclusive, que a timidez muita vezes já era uma característica presente na criança e apenas se potencializa com a presença da acne. E vice versa: a acne se agrava por conta da timidez – muitas doenças de pele surgem ou se agravam em decorrência de disfunções emocionais. “Há diversos casos de pessoas que melhoram o psíquico e têm melhora em certas doenças de pele. O psíquico por si só não cria a doença, mas pode ajudar a aumentá-la. Autoestima é a chave. Se não a acne vira uma espécie de muleta, pois o jovem irá sempre justificar a timidez nas espinhas”, comenta.

Muitos adolescentes que têm espinhas, principalmente as meninas, acabam utilizando de algumas artimanhas para ofuscarem os efeitos estéticos que elas causam. O mais comum no universo feminino é o disfarce por meio de maquiagem, o que é legal, desde que feito com responsabilidade e cuidado. “Para solução de curto prazo ou temporária, a camuflagem da acne pode ser usada como a primeira linha de defesa. Ela [a maquiagem] pode ajudar a cobrir ou ocultar a vermelhidão que frequentemente acompanha as espinhas. É importante que o produto utilizado não seja comedogênico [que não obstrua os poros] e piore o quadro”, explica a dermatologista Fernanda Carrilho de Menezes, que é professora de cirurgia dermatológica do departamento de dermatologia da USP – Universidade de São Paulo. A profissional ressalta, porém, que o ideal é manter o rosto livre de produtos químicos e que a maquiagem, quando utilizada, deve ser totalmente retirada antes de dormir.

Nos casos mais complexos, em que há cravos e espinhas unidos, formando canais internos na pele, causando febre, dor nas articulações, erupções com pus, entre outros sintomas, após análise clínica e a realização de exames específicos, geralmente é prescrito pelo dermatologista um composto de Isotretinoína, conhecido no mercado como Roacutan – nome comercial. “O Roacutan é um retinóide  de ação anti-seborréica específica para tratamento oral da acne grave, nódulo-cística e conglobata, e quadros de acne resistentes a outras formas de tratamento. Portanto, somente para essas indicações ele deve ser prescrito. Para quadros  leves a medicação está totalmente contraindicada”, esclarece a Drª Fernanda. Este medicamento causa alguns efeitos colaterais aparentemente incômodos e o paciente deve, sempre, ser muito bem orientado pelo médico antes do início tratamento – período em que é proibido o consumo de álcool e, para as mulheres, a gravidez. Entre as alterações físicas estão o ressecamento da pele e lábios. O medicamento pode também causar ansiedade e depressão.

O analista de sistemas Eluy Cannadyne, 24, tratou com o Roacutan e garante que o resultado foi totalmente positivo, tendo em vista o estágio da acne que possuía. As espinhas começaram a surgir quando ele tinha 13 anos e se agravaram após um ano. Antes de iniciar o tratamento com Isotretinoína ele chegou a consultar com outros médicos e utilizou métodos alternativos. “Num geral todos deram soluções paliativas, como sabonetes para hidratar a pele e cremes feitos em farmácias de manipulação, que surtiam efeito para minimizar os danos causados pela acne. A intenção era diminuir a oleosidade, um dos aspectos que contribuem para aparecimento de cravos e espinhas. Melhorava o quadro, mas não resolvia definitivamente. Foi, então, que uma dermatologista falou da possibilidade de tratar com Roacutan”, conta Eluy, que diz não ter sofrido muito com os efeitos colaterais considerados mais graves, como a depressão. “Tive efeitos colaterais leves, como ressecamento da pele e dos lábios. Administrei com hidratante e manteiga de cacau. Nada impossível de se aguentar durante o período do tratamento”, diz.

Apesar da ação rápida contra a acne proporcionada pelo Roacutan, o medicamento é utilizado apenas nos casos em que o paciente encontra-se em estágios mais avançados da doença, tendo em vista toda preparação que ele exige para ser consumido e os efeitos que pode causar. “Tive que fazer exames de sangue, necessários para saber se meu organismo aguentaria os efeitos que a administração com Roacutan causariam. Me lembro, inclusive, de ter assinado alguns documentos com termos de responsabilidade de uso”, lembra Cannadyne. “O roacutan só será prescrito se for a melhor indicação para esse paciente”, complementa a dermatologista e professora da USP Fernanda Carrilho de Menezes, que ressalta a importância de se enxergar a acne como uma doença, e que o melhor caminho é consultar um especialista. “Soluções caseiras e o uso de determinados cosméticos podem até piorar o estado geral da pele. Por isso, nunca realize automedicação, pois o uso incorreto de fármacos pode ser muito perigoso. O tratamento da acne que trará mais resultados é aquele que for melhor indicado para cada caso”, finaliza a profissional.


 

Voltar