FOTOS

Crise está sendo Oportunidade? – 1



Sempre ouvimos dizer que a palavra crise, entende-se como perigo e oportunidade.

Quantas crises você vivenciou?

Quantas foram encaradas por você como oportunidade e com isso conseguiu melhorar e crescer?

Quantas situações você viu como perigo, recuou por medo e diminuiu os seus negócios?

Certamente há diferentes aspectos e situações que devem ser levados em consideração.

Tentarei expor nesta pequena matéria, alguns aspectos sobre o assunto.

Já ocorreram crises provocadas por guerras internas ou externas, até as grandes guerras mundiais, e também por mudanças econômicas, governos, epidemias, crises político-ideológicas e outras etc.

As crises podem ser sociais ou econômicas.

A maioria das crises é criada ou fomentada pelo pensamento das pessoas que, por medo, mudam ou temem a tomada de decisões.

O prejuízo causado durante as crises são reais ou fictícias?

Mesmo que o patrimônio não tenha sido alterado no valor intrínseco (valor real), o valor extrínseco pode mudar até o balanço patrimonial.

Um exemplo: em virtude das más notícias, o mercado reage às compras e vendas ? inverte a lei da oferta e procura ? afeta as bolsas de valores ? o valor das ações despenca em poucos dias.

Se nesse período, as ações ou quotas das sociedades forem negociadas sem alteração do patrimônio, haverá mudança do valor em números, que irá registrar o patrimônio escritural para um déficit ou superávit.

Na crise registrada entre os anos de 2008 e 2009, muitas pessoas ricas do mundo perderam bilhões, conforme divulgado pela imprensa.

Houve até um caso de suicídio na China, porque a pessoa teve um prejuízo de 3 bilhões – ele tinha 9 bi, restando 6 bi.

Ora, se ele mantivesse o pensamento: “Graças a Deus, ainda tenho 6 bi e estou salvo!”, hoje ele estaria comemorando.   Entretanto, ele só pensou no prejuízo, nos seus compromissos e responsabilidades.

O fato é que, salvo exceções, a crise é criada inicialmente na mente pelo medo. Suas ações transformam os atos em fatos que refletem na realidade.

Outros recorrem aos bancos para suprirem as necessidades e os bancos recorrem ao governo.   Todos precisam honrar os seus compromissos e restituírem com juros.
Existem perdas reais que são contabilizadas em virtude da correção no valor nominal.

Ora, se não são reais e são virtuais, por que antes de qualquer tomada de posição recessiva, não mudar para otimista e criar uma nova situação?

 

Voltar