FOTOS

Aprendizado e concentração: fundamentais para o sucesso escolar
Tudo a ver com os lanches escolares!

A qualidade da alimentação é fundamental para o desenvolvimento e funcionamento do cérebro e dos neurônios, que estão diretamente envolvidos com o processo de aprendizado, capacidade de concentração, discernimento e memorização. 

Oferecer à criança em fase escolar os nutrientes que beneficiam a função do cérebro pode ser o diferencial entre o aluno inteligente e o esforçado.

O lanche escolar tem papel fundamental neste processo. Escolher itens que contenham aminoácidos ligados ao aprendizado, como a taurina, antioxidantes que retardam o desgaste do cérebro, como Vitamina A, E, C, fitoquímicos, polifenóis, selênio e, principalmente, evitar o jejum prolongado e os açucares são alguns dos segredos para um bom desempenho escolar.

É claro que tudo isso não se restringe ao lanche escolar, mas este pode ser um diferencial. A criança bem nutrida tem maior potencial de aprendizado, de socialização e tem mais energia para as atividades físicas e intelectuais.

Para elaborar melhor o lanche, preste atenção aos horários das aulas, a ideia é oferecer alimentos em horários regulares, evitando mais de 3 horas sem se alimentar, desta forma o cérebro mantém-se ativo e em pleno funcionamento. O jejum ocasiona um desaceleramento das atividades motoras e neurais.

A criança que estuda no período da manhã deve fazer, obrigatoriamente, um desjejum antes de aula (a fim de “despertar o cérebro”), levar um lanche para comer no intervalo e deve almoçar assim que chegar a casa.

A criança que estuda no período da tarde, deveria almoçar antes em casa para garantir que receba os nutrientes essenciais ao funcionamento cerebral, no caso de receber almoço na escola, seria muito interessante os pais saberem o que é fornecido e se a criança está aceitando a alimentação. 

Além do almoço, deve oferecer um lanche à tarde e o jantar assim que chegar em casa. 

O desjejum e os lanches (manhã e tarde) devem conter os três nutrientes fundamentais, já citados: o aminoácido taurina, um antioxidante e um alimento fonte de energia, traduzindo:   Uma porção de leite, iogurte, bebidas lácteas, queijo branco magro ou bolinhas de muçarela de búfala (evite os queijos de cor amarela), mais uma fruta seca, in natura ou castanhas e uma porção de pão (ou biscoito sem recheio, broa, pão de forma, bisnaguinha).

Existe uma vasta oferta de iogurtes, bebidas lácteas e pães no comércio varejista, escolha aquele que seja de fácil manuseio para a criança e não cause constrangimento perante os colegas. Muitas crianças aceitam mais ou menos um lanchinho conforme sua apresentação.

Frutas secas como damasco (fonte de Vit A), morango, abacaxi picado (fontes de Vit C) e outras frutas in natura com casca como maçã, banana e uva, são práticas e ricas em fitoquímicos e polifenóis; castanhas do Pará e nozes são fontes de selênio e Vit E, e todos esses alimentos revigoram a função cerebral.

Atualmente, o ritmo acelerado da vida e a falta de tempo exigem maior praticidade e muitas vezes se recorre aos lanches industrializados. Não se engane com seu tamanho reduzido, essas porções individuais podem conter grandes quantidades de calorias, gorduras, sódio e açucares. O consumo de uma unidade, eventualmente, não é tão prejudicial, mas várias delas leva ao desequilíbrio energético e nutricional. Evite oferecê-las as crianças.


 

Voltar