FOTOS

Eleições no CEP
Afonso Celso Lenzi candidato a reeleição

 

Nas vésperas da eleição do Conselho Deliberativo que escolherá a nova diretoria do Clube Esportivo da Penha, conversamos com Afonso Celso Lenzi, o Afonsinho, atual presidente e candidato à reeleição para o novo mandato.

CityPenha: Você tem uma longa história no CEP, o que é mais importante falar para os associados?

Afonso: O mais importante que eu quero passar para os associados do clube nesse momento é a experiência que temos, venho participando das administrações mesmo antes do meu pai ser presidente. É preciso que o associado saiba de toda experiência que a gente tem para administrar o clube, porque isso não é como abrir um boteco na esquina, vender uma cerveja, uma pinga, um sanduíche e acabou. Administrar o clube é muito complexo, você tem que ganhar essa experiência antes de querer ser presidente. Entrei como conselheiro aos 21 anos de idade e já faz 37 anos que sou conselheiro do clube. Na gestão do Sr. Gallo como presidente, eu fui membro do Conselho Fiscal e ali comecei a me acostumar com as contas do clube, entender a entrada e a saída de dinheiro, para o que ele era usado, onde era distribuído, e de lá para cá, eu venho participando de todas as administrações. São quase 30 anos participando ativamente e aprendendo o que é a administração do clube.

 


Inauguração das novas instalações do Memorial do CEP


CityPenha: Tradicionalmente não existe uma oposição atuante na política do CEP?

Afonso: Realmente não é comum. O sistema do clube não está acostumado a ter uma oposição, mas para mim isso é uma coisa natural, porque a minha vida na política foi uma escola onde aprendi a conviver com alguém que não pense como eu. Fui presidente de dois partidos, o PTB e o PV. Fui vereador, candidato a deputado, secretário de governo da prefeitura de Santa Izabel e com tudo isso ganhei uma experiência política que me faz assimilar muito bem a existência de uma oposição, com ideias diferentes das nossas.

CityPenha: As diferenças de opinião que formam uma oposição devem ser analisadas e até absorvidas para uma gestão ainda melhor?

Afonso: Claro que sim, afinal administrar o clube não é tarefa fácil. Mas por mais que a gente aceite uma oposição como uma coisa natural e bem-vinda temos também que tomar cuidado porque as vezes a pessoa quer o poder pelo poder. Estamos lidando com uma instituição de 87 anos, uma instituição que faz parte da história da cidade de São Paulo, e de repente alguém resolve ser presidente e acha que vai sentar aqui na cadeira e está tudo certo. Aqui é muito trabalho, tem problema 24h por dia. Demanda muito tempo, muita dedicação. Eu venho ao clube todas as manhãs e todos os finais de tarde e, quando necessário, durante o dia.

 


Campo do Meio reformado agora tem irrigação computadorizada


CityPenha: Um ponto muito importante na administração é a equipe, porque ninguém administra sozinho, correto?

Afonso: Com certeza, você precisa ter uma diretoria bem selecionada e esse é um ponto muito gratificante para mim. A diretoria que eu tenho se engajou no clube, eles tomaram o clube como se fosse a família deles. Eles sabem resolver os problemas, temos pessoas específicas e capacitadas em cada lugar. O vice-presidente de finanças é diretor de banco, a equipe de patrimônio são pessoas que conhecem o ramo, são engenheiros, donos de construtoras, etc. Um ponto importante a destacar é que todos são voluntários, ninguém é remunerado por esse trabalho.

CityPenha: Como você qualifica sua gestão no CEP?

Afonso: Quando você se propõe a um cargo desse você tem que ter estrutura e conhecimento, por isso queremos que o associado reconheça aquilo que foi feito nesses últimos dois anos com todas as dificuldades que o país vem passando, que também atingiu o clube. Convivemos com dificuldades financeiras, mas não devemos nada para ninguém e realizamos muitas coisas. Enfrentamos problemas pontuais, como por exemplo, logo que entramos na administração estourou o balneário e tivemos que fazer uma piscina climatizada nova, foram gastos cerca de 250 mil reais. Essa é uma verba que não se esperava gastar naquele momento. A piscina aquecida também foi toda reformada e modernizada e a casa de máquinas do balneário foi toda reformada. Ela foi feita há 50 anos atrás e nunca ninguém mexeu. Nós reformamos ela toda com nossos funcionários, com mão de obra própria. O campo de futebol do meio, que hoje graças a Deus está em fase final e devemos inaugurar agora em março, é um anseio dos praticantes de futebol há mais de 60 anos e contará com irrigação computadorizada. Refizemos toda a parte estrutural do ginásio, que desde sua inauguração, na gestão do meu tio Lico, nunca foi reformado. O corpo do patrimônio do clube fez isso, uma obra que não aparece, mas as pessoas precisam saber. Inauguramos a quadra para os esportes de praia, Beach Tennis, Futevôlei e Vôlei de Praia. Todos os quiosques estão sendo revitalizados.

 


Reforma da Piscina Climatizada


CityPenha: Foram muitas realizações, muitas obras.

Afonso: Fizemos muita coisa, sempre zelando pelo patrimônio e pela responsabilidade financeira. Tem uma coisa que eu costumo brincar com o pessoal, “obra em baixo da terra não dá voto e político não gosta” (risos). Nós fizemos uma obra que está em fase final na parte de informática do clube. Implantamos fibra ótica com tubulação subterrânea desde a portaria até o departamento de TI que fica no ginásio, interligando todo o clube. Com isso, entre outras coisas, o Wi-Fi de graça em todo o clube, como a oposição está prometendo, já está sendo disponibilizado e vai estar funcionando ainda em março.

CityPenha: E a antiga questão do AVCB, o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros?

Afonso: O AVCB era um drama aqui no clube e nunca ninguém tinha se preocupado em ir atrás. Dando continuidade a gestão do Picone, conseguimos o AVCB, que é um passo importante para a regularização das edificações do clube. Há uma semana renovamos o AVCB que está publicado em todos os lugares do clube, permitindo a realização legal de eventos. Nós pegamos alguns problemas da diretoria social da administração passada que lidou com irresponsabilidade, os flashback que foram feitos nos deixaram com 3 multas no valor de mais de 200 mil reais, sendo que uma delas já venceu e nós tivemos que fazer um acordo com a prefeitura. Isso porque fizeram uma festa pensando só no holofote e não pensaram no clube. Hoje só fazemos as festas com  os documentos que nos permitam proporcionar aos associados se divertirem sem problemas, com o AVCB e com alvará, que não mais trará problemas ao clube. Isso chama-se responsabilidade e respeito ao clube e a sua história. O curioso é que a oposição fica divulgando na propaganda política deles que o clube vai ter mais festas, que as festas voltarão. Na verdade, as festas no clube continuaram, porém foram feitas com responsabilidade, com documentos e dando lucro. Nós fechamos o ano de 2016 com quase 90 mil reais em lucro de todas as festas. Para administrar o clube é preciso ter responsabilidade, não é querer sair em foto e falar bonito no microfone. Temos um carinho muito grande pelo clube e não vamos aceitar ninguém brincar de administrar. A gente tem consciência que uma oposição é bem-vinda, mas ela precisa ter responsabilidade.

 


Perfuração do segundo poço artesiano


CityPenha: O clube tem sua sazonalidade, isso impacta na eleição?

Afonso: O clube vive os 12 meses do ano, independentemente do fluxo dos associados. Você tem que ter responsabilidade financeira para administrar a variação de receita, com aumento no período de dezembro, janeiro, fevereiro e março e a queda em junho, julho, agosto e setembro. Isso faz parte da experiência administrativa. Só porque você é presidente não pode tudo. Tem o Conselho Deliberativo, com 140 conselheiros mais os vitalícios, o Conselho Fiscal e o CORI que é o Conselho de Orientação, que fiscalizam tudo. Tudo que é feito é levado para o Conselho que acompanha de perto. Por isso é tão importante todos os associados maiores de 18 anos comparecerem e votarem na eleição do dia 18 de março, para renovar 2/3 do Conselho. Nossa chapa é a tradicional Chapa Verde, criada pelo meu pai, o saudoso Sr. Affonso Lenzi. Conto com seu voto.


 

Voltar