FOTOS

Roberto Ferrari

Escritor com carreira meteórica está lançando novo romance

 

Roberto Ferrari sempre escreveu desde sua juventude, mas foi a partir de novembro de 2011 que resolveu abraçar a carreira de poeta e escritor, depois de uma longa experiência profissional em outras áreas, inclusive de tecnologia.

Conversamos com ele às vésperas do lançamento de seu novo romance, O Ceifador de Almas, acompanhe nosso bate papo.

CityPenha: Você iniciou sua trajetória como escritor há pouco tempo, como descobriu essa vocação?

Roberto Ferrari: Sempre gostei de escrever desde a minha adolescência. Sempre escrevi poesias e em 2011 decidi tornar o ato de escrever uma carreira. 

CityPenha: São 11 livros publicados em 5 anos, é isso mesmo?

 Roberto Ferrari: Durante os últimos cinco anos lancei onze livros solo, fato que me deixa muito feliz e realizado, pois é o resultado de um esforço diário.

A carreira de um escritor apresenta diversos obstáculos, mas em contrapartida é fonte de um prazer sem igual.

CityPenha: Como você define seu estilo como escritor?

Roberto Ferrari: Meu estilo é eclético, muito provavelmente porque leio obras de autores diversos. Na poesia tenho como preferência os poetas Vinícius de Moraes, Pablo Neruda, Olavo Bilac e a poetisa portuguesa Florbela Espanca. Nos romances gosto muito de Victor Hugo, Oscar Wilde, Stephen King, entre outros.

CityPenha: Quais são suas inspirações para escrever os livros?

Roberto Ferrari: Minhas poesias têm por inspiração meu amor pela vida, pela natureza e pelas mulheres. Hoje posso dizer que não tenho uma musa específica, apesar de que muitas poesias são escritas para minha esposa.

 


Meus romances seguem a linha policial e terror. Adoro criar assassinos seriais e personagens de terror. Procuro escrever de forma a que o leitor possa fazer uma nova descoberta a cada página. Quando escrevo estes romances me inspiro em muitos filmes e livros que já li no decorrer da minha vida.

CityPenha: Em pouco tempo você alcançou resultados expressivos na sua carreira, a que atribui seu sucesso?

Roberto Ferrari: Atribuo meu sucesso ao fato de estar fazendo o que amo: escrever. Toda a pessoa que faz o que ama tende a ter sucesso, pois como o filósofo chinês Confúcio dizia: Quando você faz o que ama você não trabalha, se diverte.

Outros fatores importantes para o meu sucesso são a determinação, o foco, a persistência e o pensamento positivo.
Eu sou uma pessoa extremamente resiliente, ou seja, tenho a capacidade de me levantar e prosseguir sempre, não importando o que me derrubou.

A carreira de um escritor é o maior exemplo de que você precisa acreditar nos seus sonhos e ir em frente, não se importando com a opinião alheia.

Como dizia o cantor de reggae Bob Marley: A vida é para quem topa qualquer parada e não para quem para em qualquer topada.

CityPenha: Você tem presença marcante em concursos literários e antologias, recebeu várias honrarias, além de figurar em várias Academias de Letras. Isso é reflexo do autor ou das obras?

Roberto Ferrari: Eu acredito que o resultado seja uma combinação entre autor e obra. Além de escrever faço um trabalho muito grande em redes sociais tendo hoje meio milhão de pessoas que acompanham meu trabalho. Hoje a divulgação em redes sociais é fundamental para qualquer profissional em sua área de atuação.

Na minha carreira procurei participar de varias antologias poéticas, pois acredito que através delas seu trabalho passa a ser conhecido em vários lugares. A antologia é um livro escrito por diversos poetas e tenho a honra de ter sido selecionado e de ter participado de mais de cem antologias.

CityPenha: Você também atua como comunicador em TV web e radio web, como é essa experiência?

Roberto Ferrari: A experiência de trabalhar com comunicação é maravilhosa, estar em contato com o público é gratificante.

Em web tv tive um programa de entrevistas, Hora Marcada com Roberto Ferrari, no qual entrevistava pessoas das mais diversas áreas.

Na web rádio tenho um programa na Mrock todos os sábados a partir das 17:30hs, Tributo Radical, que fala sobre bandas de rock and roll e suas trajetórias e no dia 26 do mês passado estreei o programa Rock e Poesia todas às quartas feiras às 14hs, na Web Radio Sinal VIP, onde falo sobre rock, poesia e bossa nova.

Tenho também uma participação todas as quintas feiras a partir de 20hs, em um programa da Radio Verde é Vida, onde declamo poesias, 

CityPenha: Você tem algum livro novo para ser lançado e algum outro novo projeto?

Roberto Ferrari: Este mês estarei lançando meu novo romance, O Ceifador de Almas, sobre um serial killer que aterroriza uma região do interior de SP. Os meus livros estão a venda no meu site que também mostra a minha carreira e os eventos de que participo.

CityPenha: Como você analisa o interesse da população pela leitura?

Roberto Ferrari: Julgo que faltam ações do governo que incentivem a população a ler, a participar mais de eventos culturais. 

No Brasil seria de vital importância que fossem criados mecanismos para incentivar novos talentos e com isso despertar o interesse da população pela cultura.

Infelizmente no nosso país se lê muito pouco.

CityPenha: O que você diria para um artista ou escritor que está iniciando sua vida artística e/ou literária? 

Roberto Ferrari: Diria a ele que não desista, pois apesar de ser uma carreira difícil é linda demais. Falaria ainda para sempre perseguir seus sonhos e fixar uma meta, assim o trabalho fica direcionado e com foco, tornando tudo mais fácil de conseguir e atingir os objetivos.

CityPenha: Para as pessoas saberem mais da sua obra, quais são os seus contatos?

Roberto Ferrari: Meus contatos  são: site: www.poetadoamor.com.br, Facebook: Perfil: Roberto Ferrari, Página: Roberto Ferrari, o Poeta do Amor, Grupo: You and I, Twitter: @ robertoferrar19, Instragram: Ferrari.robertopoeta, E-mail: roberto@poetadoamor.com.br.
Rádios: www.mrock.com.br, www.sinalvip.com.br, www.radioverdeevida.com.br 

CityPenha: Seus livros podem ser encontrados em alguma livraria?

Roberto Ferrari: Sim, meus livros podem ser encontrados na Livrarias Curitiba no Shopping Aricanduva.

 


 

Voltar