FOTOS

H1N1 o vilão da estação

Infectologista fala sobre H1N1 e explica como evitar a contaminação pelo vírus

 

O H1N1 chegou mais cedo este ano e mais forte, a doença que é comum no inverno já atinge a população dos grandes centros urbanos e é responsável por 42 mortes no estado de São Paulo. A infectologista do Hospital e Maternidade São Cristóvão, Dra. Andreia Maruzo Perejão, explica como se prevenir do vírus que está causando um surto na cidade, quais as formas de tratamento e prevenção. 

Segundo a médica a gripe desenvolvida pelo H1N1 possui sintomas parecidos com a gripe comum, “Seus principais sintomas são a febre de início súbito a 39°, calafrios, mal estar, cefaléia, dores musculares, tosse, dor de garganta e rinorréia, mais conhecida como corrimento nasal”.  De acordo com a especialista em alguns casos podem ocorrer outros sintomas, “falta de ar, por exemplo, pode indicar um quadro mais grave da doença”.

A gripe suína como é conhecida é uma variação da influenza A, que também causa a gripe comum, e só é diagnosticado através do exame de coleta de secreção respiratória. Para a infectologista do Hospital e Maternidade São Cristóvão o vírus esta mais forte, “o H1N1 esta se tornando mais agressivo com o passar do tempo, quando consideramos o quadro clínico e a  gravidade dos sintomas e sua alta transmissibilidade”.

Idosos, crianças, gestantes e pessoas com algumas doenças crônicas, como o diabetes e doenças imunossupressoras, que reduzem o sistema imunológico, possuem um risco maior de ter complicações devido à gripe, explica Dra. Andreia. “A principal forma de prevenção é a vacinação, que pode ser feita a partir de 6 meses de idade, porém tomar algumas medidas básicas de higiene no dia a dia podem ajudar a evitar o contágio do vírus, como lavar as mãos frequentemente, uso de álcool gel, evitar permanecer em ambientes fechados e não ventilados, usar lenços quando espirrar ou tossir, evitar compartilhar objetos pessoais como toalhas, talheres pratos e copos e evitar tocar algumas regiões do corpo como olhos, nariz e a boca”. 

“O tratamento do H1N1 é feito com a ministração de antiviral com principio ativo oseltamivir”, lembra a infectologista. Segundo o Ministério da Saúde a recomendação caso seja diagnosticado com o vírus, é evitar sair de casa no período de contaminação da doença  durante os sete primeiros dias, e buscar o serviço de saúde imediatamente caso apresente algum dos sintomas. 

Confira as principais diferenças entre a gripe comum e a influenza A (H1N1):

 


 

Voltar