FOTOS

Aos 86 anos, Jaú Atlético Clube é referência na Penha


Clube com raízes fortes fincadas no universo do futebol de várzea, Jaú da Penha foi celeiro de jogadores profissionais e apoia a comunidade local

Foi no início do século, mais precisamente em 29 abril de 1929, que o Jaú Atlético Clube da Penha foi fundado, fruto de uma homenagem feita ao aclamado aviador brasileiro João Ribeiro de Barros, que atravessou o Oceano Atlântico sem escalas com seu avião denominado de Jahú, em alusão à cidade do interior onde nasceu o comandante. O feito foi considerado, para a ocasião, um grande tabu, levando, inclusive, à criação do nome de um bairro, o Jardim Jaú - onde se encontra, desde então, o clube da Zona Leste.

Bicolor em preto e vermelho, o tradicional Jaú Atlético Clube da Penha é popularmente conhecido apenas como Jaú, tendo como endereço uma das extremidades da Avenida Governador Carvalho Pinto - a Tiquatira. Em sua longa trajetória como instituição penhense o Jaú manteve pulsando nas veias o futebol de campo, carro chefe da entidade. Conquista dentro de campo, entretanto, não é algo que o clube possa se orgulhar, já que não é detentor de muitos títulos. Mas a sala de troféus na sede social do Jaú é repleta de medalhas e taças que representam a participação nos diversos torneios disputados.

Entre os feitos mais importantes do Jaú da Penha no quesito futebol estão a conquista da Copa Ademar de Barros, em 1950, e a terceira colocação, em 1991, na Copa Sul Americana de Futebol Amador. Para o zelador e atual representante direto do Jaú, José Teodoro Neves, 67, - conhecido como Nego Véio - os melhores momentos do clube dentro de campo, no futebol, aconteceram há pouco mais de 25 anos. “A melhor fase, desde que eu estou aqui, foi nos anos de 1980, quando participamos de um campeonato do eixo Rio-São Paulo, disputado em Angra dos Reis, e fomos vice-campeões. Tinha muito time bom jogando aquele campeonato. Depois disso tivemos boas participações na Copa Kaiser, pegando segundo e terceiro lugar”, relembra Nego Véio, que trabalha ininterruptamente no Jaú há mais de 30 anos.

 


Atualmente o Jaú Atlético Clube da Penha tem sede própria com aproximadamente 600 metros úteis além de possuir sala de troféus, salão de jogos, bar e lanchonete, área administrativa, dois vestiários e um espaçoso salão para eventos. Há pouco mais de quatro anos, porém, o clube também administrava o campo de dimensões semiprofissionais, uma quadra de areia e toda a infraestrutura de vestiários e sanitários localizados em frente à sede. Após decisão da Prefeitura de São Paulo esses espaços passaram a ser de responsabilidade do CDM - Clube Desportivo Municipal da região, que organiza no local, desde então, a Copa Brasil e recebe jogos de times da comunidade local e bairros vizinhos. Segundo o Nego Véio, atualmente o clube do Jaú se mantém atuante no futebol através de seu time de veteranos, que tem horário reservado aos domingos no campo hoje administrado pelo CDM.

Desde a sua fundação, em 1929, o Jaú tem forte atuação no campo social, em prol dos moradores locais. Quando o clube era responsável pela administração do campo, oferecia escolinha de futebol para as categorias menores. Hoje o clube recebe duas vezes por semana uma turma de crianças para aulas de taekwondo, ministradas e promovidas por profissionais do Sport Club Corinthians Paulista. O projeto é uma iniciativa do clube alvinegro, e o Jaú abre as portas e recebe os participantes. “Nós somos pequenos em termos de espaço. Mas o Jaú é tão importante quanto a outros clubes. A diferença é que nós recebemos a comunidade. A gente não faz de graça, mas facilitamos de todas as formas. Se algum morador aqui da região precisa usar o salão de festas e não tem o valor total para alugar, a gente parcela da melhor maneira para ele. A gente dá desconto. O Jaú não é público, mas é para a comunidade”, comenta José Teodoro Neves.

Apesar dos poucos títulos no futebol, o Jaú foi celeiro de jogadores consagrados, que atuaram em algum momento da carreira pelo time bicolor da Zona Leste de São Paulo. Exemplos disso são o ex-lateral-esquerdo Ari Clemente, que atou pelo Corinthians, o jogador Ratinho, que também ficou marcado por jogar na equipe do Parque São Jorge, e, mais recentemente, o lateral-direito Luís Felipe, que pertence à equipe do Benfica, de Portugal, e atua desde maio de 2015, por empréstimo, pela equipe do Paysandu.

Atualmente, apesar de o clube não ser mais o administrador do campo de futebol, os atletas e toda a comunidade varzeana têm como referência o famoso Campo do Jaú. As equipes que mandam seus jogos no campo (atual CDM) são o Cabeça Cortada, Penhalau, Bexiga, Família Penha de França, Unidos do Morro, Quebrada e próprio veterano do Jaú. Hoje em dia o clube tem como principal fonte de renda o aluguel do espaço do salão para festas e eventos, além do bar e lanchonete. “Se a gente não faz um evento de festa, acaba tendo que fechar as portas”, finaliza Sr. José Teodoro Neves, o Nego Véio.

 

Serviço: Jaú Atlético Clube da Penha • Rua Amorim Diniz, 42 - Jardim Jaú  • Tel.: (11) 2641-0994


Por Arilton Batista

 


 

Voltar