FOTOS

Vamos imaginar um jogo

 

Vamos imaginar um jogo, onde o tabuleiro é o “Mapa” abaixo. Tenho que dizer que esse jogo já existe e foi criado por Rodrigo Rizzo, fisioterapeuta responsável pela Instituto do Movimento. E logo será lançado! É o jogo do “Mapa da Dor”. Mais uma ação criativa para ajudar as pessoas e profissionais da saúde aprenderem mais sobre o assunto – Dor e Bem Estar.

Todos os participantes do jogo estão com suas peças na “Cidade do Bem Estar”. O objetivo é chegar mais tarde na placa “Dor”. Aquele que chegar mais rápido na dor, perde o jogo e tem que pagar um “castigo” tipo imitar uma galinha ou algo assim ao sentir uma dor nas costas”. 

Se você participasse do jogo, quais seriam as habilidades que deveria ter para se manter mais tempo possível próximo da “cidade do bem estar”?

Eu faria muitas coisas e levaria em consideração aquilo que a ciência orienta. Um estudo liderado pela professora brasileira que trabalha na Austrália Manuela Ferreira, do George Institute for Global Health e Sydney Medical School, University of Sydney, disse que 40% dos “mal jeitos” na coluna em seu estudo ocorreu das 8-11 horas da manhã.

Eles não sabem exatamente porque as pessoas apresentam um episodio de dor lombar pela manhã. Manuela disse que esse estudo é único porque mostra que não é simplesmente estresses de longa duração que levam a dor lombar. Mesmo exposição breve aos fatores de estresses psicológicos e físicos podem aumentar o risco de dor lombar.

 


O professor Chris Maher, líder de pesquisa do George Institute Musculoskeletal e autor sênior do estudo, disse que a pesquisa encontrou fatores que desencadeiam dor lombar e que alguns deles predispõe mais do que outros. Por exemplo estar fadigado triplica as chances de desenvolver um episodio de dor lombar. Estar distraído para carregar um objeto mostrou-se também aumentar as chances. Por exemplo:

1- Fazer as tarefas do dia distraído;

2- Tarefas que usam as mãos em que ficamos inclinados por tempo prolongado para frente;

3- Tarefas que carregamos objetos longe do corpo (o ideal é carregar próximo do corpo);

4- Tarefas envolvendo animais e pessoas (carregar bebe, idoso, alimentar animais...);

5- Tarefas que temos que manusear objetos instáveis (como tomar cuidado para não deixar cair agua do balde); 

6- Tarefas envolvendo carregamento de peso;

7- Atividade física vigorosa;

8- Estar fadigado ou cansado ao realizar as tarefas;

Todas esses fatores de risco citados acima podem ser reduzidos quando preparamos nosso corpo e aumentamos nossa consciência corporal. Segundo Rodrigo Rizzo, podemos deixar nosso corpo mais preparado para as exigências do dia a dia através da pratica de atividades físicas que “imitam” as atividades diárias conhecidas como Treinamento Funcional. “No Instituto do Movimento fazemos um trabalho diferenciado. As pessoas são avaliadas e fazem exercícios de musculação, treinamento funcional, exercícios aeróbicos de acordo com suas necessidades, preferencias e objetivos.
Além disso, priorizamos a redução do estresse com um ambiente agradável e professores que tornam a prática mais prazerosa”.

 

www.institutodomovimento.com.br - 11 2791-3266

 


 

Voltar