FOTOS

Marcada por cores, primavera pode ser levada para dentro de casa 

Dia 23 de setembro inicia-se a primavera, a estação mais colorida do ano no Brasil. Época em que as flores nascem, as praças e os jardins se tornam mais vistosos e com uma gama diversificada de tons. Para alguns, é o tempo mais alegre e luminoso do ano. Até São Paulo, vista por muitos como uma cidade cinza e verticalizada por conta da quantidade de prédios e a carência de área verde, ganha um novo ar com a chegada da primavera. O desafio, com a correria do dia a dia, entretanto, está em encontrar maneiras de incluir um pouco dessa estação do ano dentro de casa, já que nem sempre há tempo disponível para apreciar com calma a transformação da natureza nos parques da cidade. 


Como a primavera é um período extremamente associado com as cores, a ideia é inseri-las no ambiente interno da residência. Segundo o arquiteto e urbanista Marcelo Fava, 24, há glumas maneiras bem simples de colorir o interior da casa através da modificação de objetos e acessórios, como as almofadas. Além disso, segundo Fava, a escolha da cor verde promove uma aproximação com elementos da natureza e, por consequência, com a primavera. “Utilizar simples almofadas listradas e coloridas pode tirar a monotonia em pequenos espaços com cores neutras, como o branco, gelo ou cinza. A cor verde, em suas diversas tonalidades, tende a proporcionar uma sensação de frescor, fazendo relação com natureza ou ao ar puro. Uma alternativa é utilizar de pequenos detalhes em amarelo na parede do fundo da sala junto de tecidos populares, como a chita, famosa por seus tons florais e extremamente coloridos. Isso pode trazer um ar mais interiorano para dentro de nossa casa”, orienta o profissional. Para quem procura algo que dê mais cores, detalhes e promova a sensação de primavera minimizando esforço e possíveis sujeiras, a utilização dos papéis de parede é uma alternativa. Apesar de criticado por algumas pessoas, que o julgam antiquado, o recurso da aplicação do papel de parede com temas tropicais, por exemplo, propicia um clima mais natural onde utilizado. Além disso, o material é de fácil aplicação e remoção e possui um leque gigante de opções de cores e texturas. Na cidade de São Paulo, onde o ar seco é predominante, os papéis de parede podem ser bastante eficazes e duradouros. O urbanista Marcelo 
Fava ressalta as vantagens, a praticidade e os cuidados com a aplicação do material. “Papel de parede cria ambientes dinâmicos e coloridos, tornando-os espaços aconchegantes e muito mais alegres. Mas não se pode deixar de lado a elegância e o bom gosto, precavendo-se de pequenos exageros”, comenta Fava. Os pequenos espaços, principalmente nos apartamentos, muitas vezes inibem nos moradores a utilização de plantas, flores e jardins como forma de interação com a natureza e decoração. Mas há uma maneira bastante indicada pelos profissionais de arquitetura e paisagismo, que são os chamados jardins verticais ou paredes verdes. O projeto é ideal para varandas e sacadas. Por serem ajustáveis dão condições ao proprietário de incluir a primavera dentro de casa durante o ano todo, se aproveitando das etapas de florescimento de cada espécie. “Existem tipos para diversos bolsos. Desde os que possuem um sistema de irrigação próprio, com diferentes tipos de estruturas – do concreto ao plástico –, até os micro-jardins ou terrários, que são uma espécie de floresta em miniatura dentro de um vaso transparente. É importante consultar um profissional. Afinal, um cantinho verde e bem cuidado sempre dá um charme a mais”, diz o arquiteto Marcelo Fava. Outra opção para deixar o ambiente interno da casa com um pouco da beleza da primavera são as plantas e flores artificiais. Esse tipo de arranjo é uma alternativa para as pessoas mais ocupadas, que não têm muito tempo para tratar das flores originais, adubando, podando e regando. Frutas artificiais também são indicadas como decoração nesse período do ano. Fava orienta sobre a importância em perceber os detalhes do enfeite, pois, apesar de serem opções viáveis para promover a primavera dentro de casa, podem se tornar incômodos em algumas situações. “Os principais lugares para o uso desses arranjos ‘de mentirinha’ são os ambientes de passagem, já que ali as pessoas não terão muito tempo para observar se a planta é natural ou não. Tomar sempre cuidado no tamanho e na discrição dos arranjos para que estes não atrapalhem, como em mesas de jantar e de centro”, comenta o urbanista e arquiteto. Os móveis também são elementos que podem incluir a estação das flores e cores dentro da residência. Como a primavera é um período que remete à natureza, às árvores e flores, adicionar ou modificar a mobília, incluindo aspectos rústicos, podem ser uma ideia para aproximar o interior da casa a elementos do campo. Esses móveis, entretanto, exigem certo cuidado dos proprietários, principalmente quando colocados em cômodos úmidos, como o banheiro ou próximo à pia da cozinha, por exemplo. 

Um selante deve ser aplicado como proteção. “Por sua característica naturalmente pesada, o móvel rústico precisa ser usado com cautela, em quantidades pontuais, como em um canto de leitura ou naquele espaço da varanda. Deve-se optar por um mobiliário que seja em sua maioria rústica ou moderna, não utilizando as mesmas quantidades de peças para ambos os estilos, pois um anulará o outro”, explica Marcelo Fava. Um detalhe no caso da escolha por móveis rústicos é com relação a harmonização com outros elementos e acessórios do ambiente, que devem possuir cores mais intensas para promover um equilíbrio. “Almofadas em bancos e toalhas de mesa precisam se mostrar vivas, alegres, para não ficarem apagadas quando juntas do móvel”, complementa Marcelo. Uma página criada no Facebook é totalmente dedica a arquitetura e suas vertentes. O espaço, administrado pelos arquitetos Marcelo Fava e Luciran Vieira e pelo ator, professor e pesquisador Marcelo Catelan, busca levar ao público um pouco sobre o cenário atual da arquitetura e do urbanismo através de conteúdo próprio e republicações de sites relacionados ao tema. A página se chama DOBRA Arquitetura e possui mais de mil e cem seguidores.

Por Arilton Batista

 

Voltar